Existe idade para ser Old School Gamer?


Matéria de: 29/08/2010

Johnny Campos:

Na realidade, não existe idade para ser um Old School Gamer.

O que acontece hoje em dia é que, a maioria dos gamers foi embalada pela leva de alta tecnologia ao longo dos ultimos anos.

Contudo, quem presenciou (ou não) a era de ouro dos games e meio que ficou "preso" no passado, sabe como é maravilhoso pegar um videogame antigo e viajar relembrando os velhos tempos.

Alguns "Hard Gamers" criticam o ato de algumas empresas de pegarem seus games e voltarem para a nostalgia (como o Rockman 9 inteirinho em 8bits, inclusive com bugs de sprite) com críticas nada construtivas, como: "É uma vergonha pra Capcom na 7ª geração dos games fazer um jogo assim!".

Vai ver eles nunca presenciaram ou jogaram algum Rockman em sua infância e não sabem o quão bom ver isso hoje em dia.

Eu, por exemplo, comecei desde pequeno a gostar de jogos antigos. Aqui em casa era uma briga! Meu irmão tinha um Sega Genesis e um Super Nintendo na época. Eu sempre fazia briga pra jogar até que um dia meu pai comprou pra mim um Mega Joy II (Clone do Famicom estilo manete de Nintendo 64).

Eram horas a fio na frente da TV jogando Mortal Kombat (pirata), Super Mario Bros., Yie Air Kung Fu, Excite Bike... Cresci em um mundo aonde grandes consoles eram feitos com novas tecnologias, novos recursos, mas os jogos do passado continuavam a me prender.

Eu acho que eu parei no tempo há 2 anos atrás quando eu ganhei o Mega Joy, pois até hoje eu sou grande fã de jogos antigos. Com o tempo veio a era 16 bits com Mega Drive e Super Nintendo, e eu lá com o olho brilhando com os jogos.

Veio então a implantação de gráficos poligonais e 3D na era do Playstation One, Nintendo 64 e Sega Saturn. Daí pra frente, eu jogo às vezes por diversão, mas a minha paixão por games mesmo, parou no mesmo no Playstation One.

Hoje em dia, um console muito criticado pelo fato de ter muitos jogos antigos e remakes é o Zeebo da TecToy.

Uma boa parte dos jogos que tem em sua biblioteca são ports de iPhone, iPad, e outra parcela são jogos antigos que ganharam ports (Ridge Racer, Alpine Racer, Spinmaster, Caveman Ninja, Dark Seal, Wizard Fire, um maravilhoso remake do Double Dragon, Tekken 2...).

Para muitos, em plena 7ª geração de games, foi um desperdício de tempo e dinheiro no Zeebo pela biblioteca de jogos. Mas para alguns (como eu), ele trás grandes lembranças de arcades da época.

Umas das piores coisas em ser Old School gamer, é sofrer preconceito.

Muitos falam que é melhor gastar dinheiro com a nova geração do que os consoles antigos, que você é um atrasado, ou uma pessoa que não é sã ao ponto de preferir gastar muito dinheiro com games antigos ou ter uma grande coleção. De alguns amigos e parentes, eu recebo um apoio, e isso é ótimo!

Hoje em dia, grandes títulos do passado não conseguem ter grande sucesso nos consoles atuais (como Sonic). As empresas hoje em dia sempre querem buscar algo novo, extraordinário, esplendido, com um personagem de uma franquia que era simples e acabam com a magia do personagem e do jogo.

Isso também acaba tirando a nostalgia dos jogos em alguns casos. Grandes jogos antigos como Bionic Commando, Metal Gear, Street Fighter fazem sucesso hoje em dia porque as empresas acertaram de mão cheia o conceito de manter um jogo inovador, com gráficos e histórias incríveis, com o pé no passado.

Isso é ótimo tanto para todos os jogadores e para as empresas que mantêm uma franquia se estendendo por anos, gerando lucros.

A respeito de críticas, eu não tenho lá muitas. Alguns Old Schools hoje em dia insistem em discutir qual foi melhor na época: SEGA ou Nintendo. Em minha opinião, não importa qual console foi mais "potente", qual tinha mais jogos consagrados ou qual inovava mais.

Todos os consoles da SEGA e Nintendo marcaram a infância de bastante gente. Eram mágicos, tinham ótimos jogos (alguns ruins também) e levavam a diversão com qualidade para as casas de todos nos anos 80 e 90.

A respeito dos Hard Gamers, parabéns pelo gosto de vocês que é maravilhoso poder ver um God of War 3 hoje em dia. É de enxer os olhos, mas por favor, tenham um pouco de senso crítico a respeito das empresas trazerem a nostalgia para os consoles novos.

A maioria deles já passou pela fase aonde um Super Nintendo era High Tech. E para eles, ver um Rockman com gráficos, sons e até bugs decorrentes da época em um console novo é ótimo para voltar no tempo e relembrar as horas que eles passavam em frente a um NES, quando corriam em euforia quando nossas mães gritavam: "Filho! Começou o Horário Eleitoral. Pode ligar o videogame".

Só para passar 50 minutos jogando algum jogo que estão tentando terminar a muito tempo, ou começar aquele jogo novo, comprado direto da loja, lacrado.

Idade para ser Old School Gamer não tem e na minha opinião nunca vai ter. Afinal, nunca é tarde para reviver os velhos tempos ou imaginar como eles eram. Afinal, o que sentimos hoje com os consoles, muitas pessoas sentiram no passado.

João Carlos Alves:

Antes de começar Johnny, digo que, qualquer tipo de preconceito é desprezível.

Os jogos novos, são em sua maioria muito bons. Trazem técnologia, bons efeitos sonoros, excelentes gráficos e jogabilidade refinada.

O nosso saudosismo muitas vezes nos faz criticar essa nova geração, criando novas disputas como as que existiam nas épocas de Master System x Nintendo por exemplo.

O maior problema que essa geração enfrenta em relação aos games clássicos, é que, como os clássicos forma os que iniciaram muitas sagas e gerações futuras, eles são eternizados de certo modo em nossas vidas. O que seria de Metal Gear Solid 4 se não existisse em 1987 o Metal Gear para MSX?

Dizer que um jogo como Grand Thief Auto, Halo, Gears of War, Left for Dead é ruim ou não é bom quanto os antigos jogos, é hipocresia! São excelentes, mas sim, não serão jamais com os clássicos de antes. Por que? Simples! Porque são feitos numa geração que muda todo dia e de forma rápida. Left For Dead hoje exige muito de um computador, mas daqui 1 ano, qualquer computador atual, rodará sem esforço algum.

Em contra partida, era o máximo poder ter no nosso Super Nintendo ou Mega Drive, uma conversão de uns 70% no máximo, de um Street Fighter II original do arcade. O Avanço existia, mas era mais contido do que hoje.

Antigamente, qualquer conversão de arcade para console caseiro, demorava muito, não era 100% fiel e era muito comemorada. Hoje, o jogo sai primeiro para console e depois (quando sai) para arcades. Veja Super Street Fighter IV por exemplo.

Hoje em dia, com a facilidade de acesso às mídias e a quantidade delas, facilitam muito para que o conhecimento se dissemine de forma mais rápida. No entanto, dificulta o apego e carinho por alguma delas uma vez que, daqui um curto período de tempo, outra tomará o seu lugar. Quem ganhou um Phantom System ou Dynavision II em 1988 com certeza o curtiu até 1994 no mínimo. E um Atari então?

O Old School Gamer é um site que privilegia os clássicos que nos alegram até hoje, mas jamais podemos esquecer que amanhã, um Resident Evil 5 ou um Guitar Hero vão aparecer por aqui também, como os clássicos de ontem.

Não posso deixar de elogiar pessoas como o Johnny que curtem os clássicos mesmo sendo novo e não ter curtido a época deles. Isso jamais tirará o mérito dele ou o direito de poder conhecer a história e a origem dos videogames e seus jogos eternizados.

Por isso reforço a ideia de você sendo novo ou velho e curtir um clássico ou não, vamos jogar! Isso é o que importa... mas como Old School Gamer é um site de velharia, vamos aproveitar Mega Man 3, Super Mario Bros 2, Pac Man, Space Invaders, Atari, "Nintendinhos", Mega Drive...

COMENTÁRIOS

Seu comentário foi enviado com sucesso!

Assim que for aprovado, será exibido aqui!

Obrigado por participar!

Infelizmente seu comentário não foi enviado.

Tente novamente e se o problema persistir, por favor, envie um e-mail: contato@oldschoolgamer.com.br